blog-nodulo-1200x627.jpg

1 de outubro de 2019 Blog0

O câncer de mama é o tipo de tumor mais incidente entre a população feminina e se caracteriza pelo surgimento de alterações desordenadas nas células mamárias.

O câncer de mama e a importância da rede de apoio

O diagnóstico de um câncer de mama repercute em toda a família e não somente sobre o dia a dia da  paciente com diagnóstico. Todos os sentimentos gerados pelo futuro desconhecido de um tratamento oncológico são vivenciados de forma intensa, tanto individual, quanto coletivamente. Por isso, o acolhimento médico é tão importante nesse momento, bem como o suporte e orientação das demais áreas envolvidas: enfermagem, psicologia, nutrição, etc.

A paciente tende a ser impactada pelas possíveis mudanças em seu corpo e na sua rotina. Por isso, cabe aos familiares e pessoas próximas que compõem sua rede de apoio estarem presentes no cuidado do dia a dia, auxiliando, acompanhando e proporcionando à mulher uma atenção diferenciada, visando passar pelo processo da melhor maneira possível.

Juntos, profissionais da saúde e rede de apoio são capazes de promover a segurança que a paciente com câncer de mama precisa para enfrentar os novos desafios que surgem ao longo do tratamento.

 

Como é feito o diagnóstico do câncer de mama

Atualmente, o diagnóstico do câncer de mama pode ser feito de duas formas:

Através do exame físico, quando a própria paciente percebe alterações na mama e nódulos palpáveis. Apesar da importância do autoexame para que a mulher conheça o seu corpo, o diagnóstico físico pode indicar que o tumor está em fase mais adiantada de desenvolvimento. Dependendo da localização do tumor, ele pode ser palpável e tratar-se de um tumor pequeno. Por exemplo , se o tumor está localizado na periferia da mama, ou se a mama é de pequenas dimensões.

Através dos exames de imagem, principalmente mamografia e ultrassom. Os exames de diagnóstico por imagem são os únicos capazes de detectar o câncer de mama em estágio inicial, quando as chances de cura são de mais de 95%. O diagnóstico precoce foi fundamental para elevar as estatísticas de cura do câncer de mama nos últimos anos e proporcionar a mulher uma melhor qualidade de vida.

Nem todo nódulo é câncer de mama

Existem alterações benignas nas mamas, conhecidas como fibroadenomas e alterações funcionais.

Deve ser lembrado aqui que a maioria dos nódulos palpáveis de mama representam alteração benigna, mas é importante que após a palpação de um nódulo de mama o médico seja procurado.

O fibroadenoma é um nódulo que costuma ter até 3 cm, se move mediante palpação e não provoca dores. Quando há a detecção de nódulos com essas características, é comum que os médicos solicitem exames complementares para que sejam descartadas as chances dos chamados tumores circunscritos. Nesse caso, o exame indicado é a ultrassonografia (ecografia), que deve ser efetuada para início da investigação.

Já a dor mamária é uma alteração funcional e cabe lembrar que o câncer de mama não provoca dores, quando em sua fase inicial.  Se a dor for cíclica, ou seja, surgir de tempos em tempos, principalmente no período pré-menstrual, há boas chances de se tratar desse tipo de alteração funcional. Por isso, o melhor a fazer nesses casos, é manter a calma e procurar orientação médica.

Ao solicitar exames complementares, o médico pode detectar também a existência de lesões pré-malignas. Elas são chamadas assim porque apresentam risco de 5% a 10% de apresentar carcinoma nos próximos 15 anos, o que também depende de outros fatores de risco somados ao diagnóstico. O acompanhamento frequente junto ao médico mastologista contribui de forma importante para detectar precocemente qualquer alteração que precise ser investigada mais a fundo, aumentando as chances de cura nos casos em que a doença é diagnosticada.

 

Dra. Radiá Pereira dos Santos
Diretora Técnica da Mamorad
CRM 05863

 


saúde-mulher-coração-mamorad.jpg

8 de março de 2019 Blog0

As mulheres têm cada vez mais doenças cardiovasculares (DCV), também conhecidas como cardiopatiasEsse grupo de doenças afeta diretamente o coração ou os vasos sanguíneos e ocorre por causa de dois grandes fatores: genética e ambiente social.

  • O coração das mulheres é menor que o dos homens, as artérias coronárias são mais estreitas e a frequência cardíaca de repouso é maior, ou seja, o coração permanece mais acelerado.
  • Fatores como rotina estressante, em casa e no trabalho, aumento da circunferência abdominal, tabagismo, hipertensão arterial, alteração dos níveis de colesterol e triglicerídios são as causas mais comuns.

Os sintomas das doenças cardiovasculares variam bastante devido à extensão do problema. Em caso de persistência deles, consulte um médico para avaliar toda a sua saúde:

  • Hipertensão arterial;
  • Tosse persistente;
  • Dificuldade de respirar durante o sono;
  • Falta de ar;
  • Dor no peito e palpitações;
  • Náuseas e falta de apetite;
  • Taquicardia;
  • Angina (dor no peito);
  • Indigestão;
  • Náusea;
  • Sudorese intensa;
  • Dor no pescoço, mandíbula, garganta e costas;
  • Fadiga;
  • Desmaio;
  • Sensação de frio nas pernas ou braços;
  • Inchaço dos pés, tornozelos e pernas;
  • Coloração azulada na ponta dos dedos ou nas unhas;
  • Transpiração excessiva;
  • Palidez.

Os fatores de risco das doenças cardiovasculares, em geral, estão  relacionados. Por isso, para uma melhor prevenção, é preciso monitorar e/ou alterar todo o estilo de vida.

Ser saudável requer mais do que uma prática frequente de exercícios, apesar de isso ser muito importante! Por isso também preste atenção especial  na sua alimentação, peso e ingestão de álcool e cigarro.


lonely-senior-woman-8DUC9YF-1200x797.jpg

8 de março de 2019 Blog0

Dentre outras doenças que mais acometem as mulheres, a depressão é uma das mais silenciosas. É necessário tocar nesse assunto porque ainda existe muito preconceito contra pessoas que sofrem desse distúrbio.  Não é raro que a pessoa em estado depressivo seja vista como alguém que não dá valor à vida ou que esteja se vitimizando, por exemplo.  

Depressão é coisa séria!

Não é à toa que ela é chamada pela Organização Mundial da Saúde de “Mal do Século”. Algumas pesquisas afirmam que ela ocorre mais em mulheres porque elas se permitem sentir mais do que os homens: em geral, dão mais valor às ligações e relações pessoais.

Mas o que se sabe com plena certeza é que se trata de uma doença psiquiátrica que provêm do desequilíbrio na bioquímica cerebral e pode surgir por uma grande variedade de fatores.

Além do sentimento de infelicidade, já se sabe que a depressão pode influenciar no declínio do sistema imunológico, abrindo portas para outras doenças, além de deixar o organismo suscetível aos processos inflamatórios.

Por isso cuidar da saúde mental é tão necessário!

Fique atenta. Tristeza de vez em quando é normal, mas se alguns desses sintomas persistirem é necessário uma consulta com um psicólogo ou psiquiatra:

  • Desesperança, desamparo e angústia
  • Tristeza persistente
  • Apatia
  • Pensamentos negativos ou preocupações
  • Baixa auto-estima (intelectual e física)
  • Perda do prazer em atividades de rotina
  • Perda de libido
  • Irritabilidade
  • Dificuldade de concentração
  • Perda de memória
  • Dificuldade de tomada de decisão

A depressão também pode ter como consequência o surgimento de outros problemas que interferem diretamente na qualidade de vida:

  • Ansiedade
  • Distúrbios do sono
  • Crises de pânico
  • Distúrbios alimentares
  • Imunidade baixa

A doença psiquiátrica pode ser silenciosa e solitária. Procurar ajuda médica é essencial para o diagnóstico e tratamento. Busque ajuda!


ovarios-policisticos.jpg

3 de maio de 2018 Colaboração0

A Síndrome do Ovário Policístico, também conhecida pela sigla SOP, é um distúrbio endócrino que provoca alteração dos níveis hormonais, levando à formação de cistos nos ovários, que fazem com que eles aumentem de tamanho.

É uma doença caracterizada pela menstruação irregular, alta produção do hormônio masculino (testosterona) e presença de microcistos nos ovários. Sua causa ainda não é totalmente esclarecida.

Para o diagnóstico da síndrome dos ovários policísticos são necessários: exame clínico, ultrassom e exames laboratoriais. Através da ultrassonografia, a doença pode ser percebida pelo aparecimento de ovários de volume aumentado e pela presença de muitos pequenos cistos em cada ovário. É importante definir que esses resultados não se aplicam a mulheres que estejam tomando pílula anticoncepcional.

Um importante exame laboratorial a ser realizado é a dosagem da testosterona total, pois nessa síndrome os hormônios masculinos tendem a ser mais elevados que o normal. Outros hormônios devem ser dosados, bem como a dosagem da glicemia sérica e curva de insulina que podem se alterar também.

Mulheres que apresentam somente os cistos na ecografia, sem desordens de ovulação ou aumento dos níveis dos hormônios, não devem ser consideradas como portadoras da síndrome dos ovários policísticos.

O tratamento da síndrome dos ovários policísticos depende dos sintomas que a mulher apresenta. Cabe ao ginecologista avaliar o melhor tratamento.

 

Dra.Martha Nogueira Lago – médica radiologista da Mamorad


menopausa.jpg

10 de abril de 2018 Notícias0

De acordo com pesquisa britânica, 35% das mulheres acreditam que este é um período com o qual elas “simplesmente têm que lidar”

Metade das mulheres da Grã-Bretanha passa pela menopausa sem procurar orientação médica. De acordo com um levantamento realizado pela Sociedade Britânica de Menopausa (BMS, na sigla em inglês), a principal razão para isso é a vergonha causada pelo estigma que envolve as mudanças enfrentadas pela mulher nessa fase.

O relatório também mostrou que 42% das mulheres tiveram sintomas da menopausa piores do que o esperavam, mas ainda assim 35% acreditam que isso é algo com que elas simplesmente “têm que lidar”.

Em relação aos sintomas, a maioria das mulheres na menopausa sofre com sete problemas, incluindo ondas de calor, suores noturnos, insônia e mudanças de humor, que podem durar de quatro a 12 anos (em 10% dos casos).

“Há uma percepção de que a menopausa só causa sintomas temporários, como ondas de calor. Quando a realidade aparece, pode ser um choque para muitas mulheres. Elas se sentem impotentes porque acreditam que as opções de tratamento são limitadas. Esse tipo de equívoco persiste a cada geração.”, disse Heather Currie, presidente da BMS.

As mulheres não mudam de postura nem mesmo quando um sintoma atrapalha a rotina diária.  De acordo com o levantamento, 36% relataram algum tipo de prejuízo na vida pessoal, 36% na profissional e 50% na sexual.

Para algumas mulheres, os sintomas da menopausa podem ser extremamente debilitantes e impactar dramaticamente sua qualidade de vida. Esta pesquisa mostra um quadro preocupante, uma vez que muitas mulheres estão sofrendo os sintomas da menopausa em silêncio”, alertou David Richmond, presidente da Royal College de Obstetras e Ginecologistas.

Menopausa

Em geral, a menopausa tem início por volta dos 50 anos. Essa nova etapa na vida da mulher representa o fim do ciclo ovulatório e se caracteriza como o dia da última menstruação e se consolida após um ano sem menstruar. Entretanto, as mudanças que preparam o corpo para a menopausa começam a partir dos 40 anos, quando o metabolismo desacelera – fica mais difícil emagrecer, por exemplo. Por volta dos 47 anos, os hormônios estrogênio e progesterona caem gradativamente.

Esse período de transição traz uma série de mudanças na mulher. Podem se manifestar mais de 200 sintomas, como ondas de calor, irritabilidade, diminuição da lubrificação vaginal, ressecamento da pele, irregularidade do ciclo menstrual, ondas súbitas de calor, mudanças de humor, suores noturnos, ganho de peso, desânimo, dor nas juntas, redução do desejo sexual, aumento da frequência de micção, dor de cabeça, palpitações e até dor durante a relação sexual.

Felizmente, bons hábitos de vida como seguir uma dieta saudável e praticar atividade física regularmente podem atenuar os sintomas da menopausa em até 80%. Optar pela reposição hormonal, a utilização de estrogênio e progesterona via pílulas, gel ou adesivos, requer cautela. O tratamento deve ser utilizado apenas quando a mulher tem sintomas muito intensos. Além disso, a paciente não pode ter histórico de câncer na família.

Fonte: Revista Veja

© Copyright 2018 Mamorad. Todos os direitos reservados. - Feito por DOM.COM.VC