mamorad-tudo-sobre-doacao-de-sangue.jpg

14 de junho de 2019 Blog0

Em 2004, a Organização Mundial da Saúde instituiu o dia 14 de junho como Dia Mundial do Doador de Sangue. A intenção foi de homenagear todas as pessoas anônimas que ajudam a salvar vidas todos os dias.

Acompanhe aqui o que você precisa saber para se tornar um doador de sangue. Se você já é um doador, compartilhe essa informação com quem ainda não é e, se quiser, comente com a gente em nossa página do Facebook o que lhe levou a fazer a doação.

A doação de sangue é um serviço de utilidade pública do qual todos um dia podem precisar.

Por isso, queremos informá-lo sobre o que é necessário para realizar a doação.

Os pré-requisitos completos para doar sangue são:

  • Estar em boas condições de saúde;
  • Apresentar documento oficial de identidade com foto;
  • Ter idade entre 16 e 69 anos, sendo que os candidatos a doadores com menos de 18 anos deverão estar acompanhados pelos pais ou por responsável legal;
  • Pesar no mínimo 50 Kg com desconto de vestimentas;
  • O limite de idade para a primeira doação é de 60 anos;
  • Não estar em jejum e evitar alimentação gordurosa;
  • Ter dormido pelo menos 6 horas antes da doação;
  • Não ter ingerido bebidas alcoólicas nas 12 horas anteriores à doação;
  • Não fumar pelo menos duas horas antes da doação.

Algumas situações podem impedi-lo temporariamente de realizar a sua doação de sangue. São elas:

  • Gripe ou febre;
  • Gestantes ou mães que amamentam bebês com menos de 12 meses;
  • Até 90 dias após aborto ou parto normal e até 180 dias após cesariana;
  • Tatuagem ou acupuntura nos últimos 12 meses;
  • Exposição à situação de risco para a AIDS (múltiplos parceiros sexuais, ter parceiros usuários de drogas);
  • Herpes labial.

Outros critérios que impedem a doação serão verificados por ocasião da entrevista de triagem.

Em outros casos, o impedimento é definitivo.

Não é possível doar sangue se você teve Doença de Chagas, Hepatite após os  11 anos de idade, é portador dos vírus HIV (AIDS), HCV (Hepatite C), HBC (Hepatite B), HTLV ou usa de drogas injetáveis.

Frequência de doação:

As mulheres podem doar sangue até 4 vezes por ano, com intervalos de 90 dias. Já para os homens, o intervalo entre uma doação de sangue e outra é de 60 dias, possibilitando até 6 doações anuais.

O processo de doação é completado através de 5 etapas. São elas:

  1. Cadastro: Cadastro do candidato à doação com a apresentação de documento oficial com foto
  2. Pré-triagem: Verificação dos sinais vitais (pressão arterial, temperatura e batimentos cardíacos), peso e teste de anemia.
  3. Triagem clínica: Entrevista individual e sigilosa onde serão avaliados os antecedentes e o estado atual de saúde do candidato à doação para determinar se a coleta poderá trazer riscos para ele ou para o receptor.
  4. Coleta de sangue: Coleta de aproximadamente 450ml de sangue e amostras para a realização dos testes laboratoriais.
  5. Hidratação: Após a doação de sangue o doador receberá um lanche. É recomendável que o doador permaneça no mínimo 15 minutos no hemocentro e beba bastante líquido durante o dia.

Alguns cuidados são muito importantes após realizar a doação de sangue:

  • Não fumar por no mínimo duas horas;
  • Nas 12 horas após a doação, não praticar exercícios físicos e atividades perigosas, como subir em locais altos ou dirigir caminhão, ônibus em rodovias, etc.
  • Permanecer no serviço hemoterápico após a doação por 15 minutos;
  • Não carregar peso ou dobrar o braço em que foi realizada a punção no dia da doação, para evitar sangramentos e hematomas;
  • Retirar o curativo  4 horas após a doação.

No site da Secretaria de Saúde do Rio Grande do Sul você encontra todos os locais de doação de sangue no estado. Acesse esse link para procurar o local mais próximo de você: https://saude.rs.gov.br/onde-doar-sangue


saúde-mulher-coração-mamorad.jpg

8 de março de 2019 Blog0

As mulheres têm cada vez mais doenças cardiovasculares (DCV), também conhecidas como cardiopatiasEsse grupo de doenças afeta diretamente o coração ou os vasos sanguíneos e ocorre por causa de dois grandes fatores: genética e ambiente social.

  • O coração das mulheres é menor que o dos homens, as artérias coronárias são mais estreitas e a frequência cardíaca de repouso é maior, ou seja, o coração permanece mais acelerado.
  • Fatores como rotina estressante, em casa e no trabalho, aumento da circunferência abdominal, tabagismo, hipertensão arterial, alteração dos níveis de colesterol e triglicerídios são as causas mais comuns.

Os sintomas das doenças cardiovasculares variam bastante devido à extensão do problema. Em caso de persistência deles, consulte um médico para avaliar toda a sua saúde:

  • Hipertensão arterial;
  • Tosse persistente;
  • Dificuldade de respirar durante o sono;
  • Falta de ar;
  • Dor no peito e palpitações;
  • Náuseas e falta de apetite;
  • Taquicardia;
  • Angina (dor no peito);
  • Indigestão;
  • Náusea;
  • Sudorese intensa;
  • Dor no pescoço, mandíbula, garganta e costas;
  • Fadiga;
  • Desmaio;
  • Sensação de frio nas pernas ou braços;
  • Inchaço dos pés, tornozelos e pernas;
  • Coloração azulada na ponta dos dedos ou nas unhas;
  • Transpiração excessiva;
  • Palidez.

Os fatores de risco das doenças cardiovasculares, em geral, estão  relacionados. Por isso, para uma melhor prevenção, é preciso monitorar e/ou alterar todo o estilo de vida.

Ser saudável requer mais do que uma prática frequente de exercícios, apesar de isso ser muito importante! Por isso também preste atenção especial  na sua alimentação, peso e ingestão de álcool e cigarro.


lonely-senior-woman-8DUC9YF-1200x797.jpg

8 de março de 2019 Blog0

Dentre outras doenças que mais acometem as mulheres, a depressão é uma das mais silenciosas. É necessário tocar nesse assunto porque ainda existe muito preconceito contra pessoas que sofrem desse distúrbio.  Não é raro que a pessoa em estado depressivo seja vista como alguém que não dá valor à vida ou que esteja se vitimizando, por exemplo.  

Depressão é coisa séria!

Não é à toa que ela é chamada pela Organização Mundial da Saúde de “Mal do Século”. Algumas pesquisas afirmam que ela ocorre mais em mulheres porque elas se permitem sentir mais do que os homens: em geral, dão mais valor às ligações e relações pessoais.

Mas o que se sabe com plena certeza é que se trata de uma doença psiquiátrica que provêm do desequilíbrio na bioquímica cerebral e pode surgir por uma grande variedade de fatores.

Além do sentimento de infelicidade, já se sabe que a depressão pode influenciar no declínio do sistema imunológico, abrindo portas para outras doenças, além de deixar o organismo suscetível aos processos inflamatórios.

Por isso cuidar da saúde mental é tão necessário!

Fique atenta. Tristeza de vez em quando é normal, mas se alguns desses sintomas persistirem é necessário uma consulta com um psicólogo ou psiquiatra:

  • Desesperança, desamparo e angústia
  • Tristeza persistente
  • Apatia
  • Pensamentos negativos ou preocupações
  • Baixa auto-estima (intelectual e física)
  • Perda do prazer em atividades de rotina
  • Perda de libido
  • Irritabilidade
  • Dificuldade de concentração
  • Perda de memória
  • Dificuldade de tomada de decisão

A depressão também pode ter como consequência o surgimento de outros problemas que interferem diretamente na qualidade de vida:

  • Ansiedade
  • Distúrbios do sono
  • Crises de pânico
  • Distúrbios alimentares
  • Imunidade baixa

A doença psiquiátrica pode ser silenciosa e solitária. Procurar ajuda médica é essencial para o diagnóstico e tratamento. Busque ajuda!


anc-mamorad-1200-1200x628.png

30 de novembro de 2018 Blog0

A diretora médica da Mamorad, Dra. Radiá Pereira dos Santos, é colaboradora de conteúdo científico no livro MAMA (editora Elsevier), lançado recentemente durante o 18° Congresso Brasileiro de Radiologia, realizado no Rio de Janeiro. Ela aborda no capítulo 36 da publicação o tema “Algoritmo e Diagnósticos Diferenciais dos Principais Achados Radiológicos Mamográficos”.

Editada pelo Colégio Brasileiro de Radiologia, a obra faz parte da série especial do CBR, que tem por objetivo auxiliar residentes e profissionais atuantes na área de radiologia e diagnóstico por imagem a colaborar com a detecção precoce de doenças, abrangendo temas essenciais para o aprendizado.

O livro contou com a participação de mais de 80 especialistas de renome nacional em destaque no cenário do diagnóstico por imagem.


prostata.jpg

29 de novembro de 2018 Blog0

Mais de metade dos homens com mais de 60 anos tem aumento da próstata. Esta condição é denominada hiperplasia prostática benigna (HPB) ou hipertrofia benigna da próstata. Não se sabe exatamente por que este aumento ocorre. No entanto, não é câncer e não provoca câncer. É importante mencionar que alguns homens podem apresentar sintomas da HPB enquanto outros não.

Sintomas

Micção frequente. O sintoma mais comum da HPB é a vontade de urinar com mais frequência, inclusive durante a noite. Isso ocorre porque a próstata pressiona a uretra, que conduz a urina para fora do corpo. Devido a pressão, os músculos da bexiga passam a trabalhar mais para liberar a urina. A bexiga, eventualmente, pode começar a se contrair, mesmo quando apenas uma pequena quantidade de urina está presente, criando a vontade de urinar com mais frequência.

Dificuldade para urinar. A pressão sobre a uretra pela próstata aumentada e o trabalho suplementar exigido aos músculos da bexiga pode levar a outros sintomas da HPB como, por exemplo, demora para iniciar a micção e urinar com um fluxo mais fraco do que antes. O homem pode sentir que ainda há urina dentro da bexiga mesmo após ter acabado de urinar.

Incapacidade de urinar. Se a HPB bloqueia completamente a uretra, pode resultar em incapacidade de urinar. Isto também pode ocorrer como resultado de infecções ou se os músculos da bexiga se tornam excessivamente fracos. A incapacidade de urinar é uma condição séria que pode danificar permanentemente os rins ou a bexiga. Neste caso, deve-se procurar um pronto socorro de urgência.

É importante consultar um médico se o homem começa a apresentar sintomas da HPB.

Quem pode ter HPB?

A próstata cresce ao longo da vida de um homem, começando na puberdade e novamente a partir dos 25 anos de idade em diante. Normalmente, o homem não apresenta sintomas do aumento de tamanho da próstata antes dos 40 anos, mas até 90% dos homens têm sintomas de HPB após os 85 anos, cerca de um terço dos homens com sintomas apresentarão algum transtorno evidente de HPB.

Não se sabe porque a próstata continua crescendo ao longo da vida de um homem. Hormônios como a testosterona, di-hidrotestosterona (DHT) e estrogênio podem estar envolvidos na regulação do crescimento da glândula.

Por outro lado a vasectomia e a atividade sexual não aumentam o risco de HBP. Tampouco não se sabe porque alguns homens têm sintomas enquanto outros não.

Os sintomas da HPB também podem ser sintomas de outras doenças, incluindo tumores e infecções, por isso a importância de consultar um médico se aparecem sintomas, para realizar o diagnóstico correto e descartar outras possíveis causas.

Devemos lembrar que alguns dos sintomas da HBP são os mesmos do câncer de próstata. No entanto, a HPB é muito mais comum do que o câncer de próstata.

Diagnóstico

O diagnóstico da HBP baseia-se nos sintomas que o homem apresenta, seu histórico clínico e resultados de alguns exames, como:

  • Toque retal, para avaliar o tamanho e forma da próstata.
  • Ultrassom.
  • Biópsia da próstata.
  • Estudos do fluxo de urina.
  • Cistoscopia, para observar o interior da bexiga.

Tratamento

O tratamento da HPB vai depender dos sintomas apresentados e sua intensidade. Infecções recorrentes, problemas para urinar, incontinência urinária e danos aos rins podem impactar significativamente na qualidade de vida do homem. Alguns medicamentos ou cirurgia podem ajudar se os sintomas são severos.

Medicamentos para Fluxo de Urina

Os medicamentos, como os bloqueadores alfa, são prescritos para tratar a pressão alta e podem ajudar a relaxar os músculos da bexiga e próstata, permitindo que a urina flua mais livremente. Os bloqueadores alfa incluem silodosina, alfuzosina, tamsulosina, doxazosina e terazosina. Um efeito colateral comum destes medicamentos é diminuir ou provocar ausência de ejaculação.

Medicamentos para parar o Crescimento da Próstata

Inibidores da 5-alfa redutase são drogas que podem parar o crescimento da próstata ou mesmo diminuir seu tamanho. Eles agem através da redução da produção do hormônio DHT. Exemplos destes medicamentos são a dutasterida e a finasterida. A desvantagem destes fármacos é que eles podem diminuir o desejo sexual e provocar disfunção erétil, podendo demorar até um ano para se perceber os benefícios do uso destes medicamentos.

Combinação de Medicamentos

Em alguns casos tomar mais de um medicamento pode ser benéfico. Combinar um medicamento que retarda o crescimento da próstata com um que relaxa os músculos da bexiga pode funcionar melhor do que as mesmas drogas administradas individualmente.

Procedimentos Invasivos

Quando os medicamentos não são eficazes para o alívio dos sintomas, procedimentos para remover o excesso de tecido da próstata devem ser considerados. Dois procedimentos normalmente podem ser realizados no consultório de um urologista: ablação transuretral por agulha (TUNA) e ablação por radiofrequência e terapia transuretral com micro-ondas (TUMT). Estes procedimentos são menos invasivos do que a cirurgia convencional e podem ser realizados em menos de uma hora.

Cirurgia

A ressecção transuretral da próstata (RTUP) é um procedimento cirúrgico para HPB. Nesta técnica um instrumento é inserido através do pênis e uretra para remover uma parte de tecido prostático. A cirurgia a laser transuretral é mais comumente realizada. Existem diferentes procedimentos com laser:

  • Vaporização fotoseletiva (PVP). Usada para evaporar tecido da próstata em excesso abrindo o canal urinário.
  • Ablação por laser Holmium (HoLAP). Similar ao PVP.
  • Enucleação a laser de Hólmio (HoLEP). Para emoção do excesso de tecido que obstrui a uretra.

Conduta Expectante

Se o homem apresentar sintomas leves, o médico pode sugerir observar a evolução do quadro clínico por um tempo determinado. Um check-up anual ou com mais frequência pode ser necessário. Em alguns casos a doença nunca precisará de quaisquer tratamentos se os sintomas não piorarem. Na verdade, os sintomas tendem a se resolver por conta própria em até um terço dos casos leves de HPB.

Mudanças no Estilo de Vida

Algumas mudanças no estilo de vida podem ajudar no alívio dos sintomas, como por exemplo:

  • Reduzir o consumo de álcool e cafeína;
  • Evitar beber líquidos na hora de dormir, e ingerir pequenas quantidades ao longo do dia;
  • Evitar o uso de descongestionantes e anti-histamínicos;
  • Praticar exercícios regularmente;
  • Criar o hábito de ir ao banheiro quando tiver mais vontade;
  • Esvaziar totalmente a bexiga, aguardar um momento e tentar novamente;
  • Praticar técnicas de relaxamento e contra o estresse.

Hiperplasia Prostática Benigna x Sexualidade

Algumas evidências sugerem que homens mais velhos com HPB podem ter mais problemas sexuais e alguns medicamentos usados para tratar a HPB podem provocar problemas de ereção e ejaculação. É importante conversar com o médico, ser honesto e deixar os pudores de lado para esclarecer suas dúvidas. Eventualmente a troca de medicação poderá resolver esses problemas.

Finalmente muitos homens não sabem que têm HPB e outros nunca apresentarão sintomas. Mas, para aqueles que não tiverem sintomas importantes, existem várias opções de tratamento disponíveis.

Sempre consulte o seu médico se notar alguma mudança ou o aparecimento de quaisquer sintomas.

 

Fonte: Oncoguia


22 de novembro de 2018 Blog0

Já surgiram na mídia matérias sugerindo uma relação entre mamografia e aumento da incidência de câncer de tireoide. Essas reportagens geram dúvidas quanto à necessidade do uso de protetor de tireoide durante a realização da mamografia. Sobre esse assunto é importante reafirmar:

1) Não existem dados consistentes que demonstrem que uma mulher submetida a mamografia tenha aumento do risco de câncer de tireoide.

2) A dose de radiação para a tireoide durante uma mamografia é extremamente baixa (menor que 1% da dose recebida pela mama). Isto é equivalente a 30 minutos de exposição à radiação recebida a partir de fontes naturais.

3) Com base nesses dados, o risco de indução de câncer de tireoide após uma mamografia é insignificante (menos de 1 caso a cada 17 milhões de mulheres que realizarem mamografia anual entre 40 e 80 anos);

4) Além disso, o protetor de tireoide pode interferir no posicionamento da mama e gerar sobreposição – fatores que podem reduzir a qualidade da imagem, interferir no diagnóstico e levar à necessidade de repetições de exames.

5) Em nota, a Agência Internacional de Energia Atômica destaca: ”Na mamografia moderna, há uma exposição insignificante para outros locais que não seja a mama. O principal valor da utilização dos protetores de radiações é psicológico. Se tais protetores forem fornecidos, somente a pedido da paciente. O protetor não deve ser mantido em exposição na sala de exame. A presença dos aventais e colares na sala de mamografia pode sugerir que seu uso é uma prática aceitável, o que não é o caso.”

Portanto, o Colégio Brasileiro de Radiologia, a Sociedade Brasileira de Mastologia e a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia reiteram a posição de NÃO RECOMENDAR O USO DO PROTETOR DE TIREOIDE EM EXAMES DE MAMOGRAFIA. Essa posição está de acordo com o posicionamento de outras entidades internacionais: American College of Radiology, American Society for Breast Disease, American Thyroid Association e International Atomic Energy Agency.

Comissão Nacional de Mamografia: Colégio Brasileiro de Radiologia, Sociedade Brasileira de Mastologia e Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia



28 de setembro de 2018 BlogNotícias0

Dra. Radiá Pereira dos SantosA médica radiologista e diretora médica da Mamorad, Dra.Radiá Pereira dos Santos, foi palestrante do 28° Curso de Atualização em Ultrassonografia, realizado no dia 22 de Setembro no Hotel Deville. Ela participou do encontro médico abordando os seguintes temas: Sinais Radiográficos do Câncer de Mama Assintomático, Sinais Radiográficos de Mama Densa e Tomossíntese.

O evento contou com a participação de renomados profissionais da área de radiologia no Rio Grande do Sul.


ultrassom.jpg

21 de agosto de 2018 Blog0

Saiba como funciona e quando fazer esse exame que usa ondas sonoras para investigar o interior do corpo

Também chamado de ultrassonografia ou ecografia, o ultrassom é um exame de imagem realizado por um transdutor, aquele aparelhinho que o médico encosta na pele da pessoa e que emite e capta ondas sonoras por meio do contato com o corpo humano. Com base nessa avaliação, imagens são formadas e investigadas por um médico.

Prático, acessível e sem nenhum efeito colateral, é amplamente utilizado no diagnóstico e acompanhamento de uma série de condições.

Para que serve o ultrassom

Por ser inofensivo, o exame é usado principalmente em crianças e gestantes, seja como parte do pré-natal ou no rastreamento de males em recém-nascidos. Mas não só isso.

O teste também é empregado para traçar uma primeira avaliação do estado de órgãos internos, como o fígado e os rins. Nas mulheres, o ultrassom transvaginal analisa o útero, ovários e colo uterino.

Suspeitas de infecções como a apendicite, doenças que afetam a tireoide e os vasos sanguíneos, cálculos na vesícula e nos rins também são detectados em poucos minutos. Há ainda a possibilidade de analisar o estrago de lesões ortopédicas em tecidos moles, como ligamentos e cartilagem… Ufa!

Como é feito

A pessoa é posicionada na maca – a parte do corpo a ser examinada pelo ultrassom não pode estar com roupas. É importante também que não haja ar entre o transdutor e a pele, o que comprometeria a qualidade das imagens. Para garantir, o médico radiologista lambuza o aparelho e próprio paciente com gel.

Durante o exame, que dura cerca de 30 minutos (o tempo varia conforme a aplicação), o dispositivo “troca sons” com o corpo. Como assim? Ora, as ondas sonoras entram e os ecos de sua passagem pelo corpo são “escutados” pelo computador, que transforma os sinais em fotos ou vídeos.

Os resultados

A partir dessa avaliação, imagens em 2D e em 3D são geradas e, então, interpretadas pelo radiologista, que emite laudos sobre a composição da parte do corpo investigada. Em tons de cinza, podem aparecer massas, lesões ou presença de líquidos, assim como alterações na estrutura, altura e composição de órgãos e tecidos moles.

Periodicidade

Não há restrição de frequência. Ou seja, o ultrassom é feito de acordo com a necessidade médica. Essa, inclusive, é outro motivo para ser usado preventivamente no acompanhamento da saúde da mulher e durante a realização do pré-natal. Nesse último caso, costuma ser realizado pelo menos quatro vezes durante os nove meses.

Principais cuidados e contraindicações

Praticamente todo mundo pode se submeter a ele, mas há limitações técnicas. Por exemplo: para que as imagens sejam mais nítidas, não deve haver acúmulo ou sobreposição de gases entre o transdutor e o órgão a ser avaliado. Só que o corpo naturalmente produz gases – e isso pode atrapalhar a visualização.

O ultrassom também não vê perfeitamente estruturas mais profundas e densas, como a coluna. Nesses casos, o médico solicita outros testes, como a tomografia e a ressonância magnética, para complementar o diagnóstico.

 

* Matéria da Revista Saúde com a colaboração de Marcio Garcia, radiologista do Grupo Lavoisier e 
Roberto Rached, fisiatra do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo.

avc.jpg

9 de julho de 2018 Blog0

O Acidente Vascular Cerebral (AVC) mata uma pessoa a cada 6 segundos, sendo uma das maiores causas de morte e incapacidade adquirida em todo o mundo. É o que alertam os órgãos de saúde da Europa. Estatísticas brasileiras indicam que o AVC é a causa mais frequente de óbito na população adulta (10% dos óbitos) e consiste no diagnóstico de 10% das internações hospitalares públicas. O Brasil apresenta a quarta taxa de mortalidade por AVC entre os países da América Latina e Caribe.

O que é o AVC?

Conhecido popularmente como derrame, o AVC é causado pela falta de sangue em determinada área do cérebro decorrente da obstrução dessa artéria ou por sangramento devido ao rompimento de um vaso sanguíneo. No primeiro caso ele é denominado de acidente vascular cerebral isquêmico e no segundo caso com acidente vascular cerebral hemorrágico. Em ambos os casos o sangue não chega a determinadas áreas do cérebro ocasionando a perda de funções neurológicas. É raro acontecer na infância mas pode atingir as pessoas de todas as idades.

Sintomas e exames

Os sinais e sintomas do AVC acontecem de forma súbita podendo ser únicos ou combinados. Pode haver enfraquecimento, adormecimento ou paralisação da face, braço ou perna de um lado do corpo, alteração de visão (ficando turva ou até mesmo a perda), dificuldade na fala ou compreensão. Pode ocorrer também tontura sem causa definida, desequilíbrio, falta de coordenação no andar ou queda súbita e ainda dores de cabeça fortes e persistentes além de dificuldade para engolir.

Principais Causas

Hipertensão arterial, fibrilação atrial, diabetes, tabagismo, uso de pílulas anticoncepcionais, álcool e problemas relacionados à coagulação sanguínea estão entre as principais causas do AVC.

Tratamento e cuidados após o diagnóstico

Acidente vascular cerebral é uma emergência médica e o paciente deve ser encaminhado imediatamente para atendimento hospitalar. Mudanças de hábito podem ajudar na recuperação por isso é importante controlar o colesterol, pressão arterial e níveis de açúcar no sangue. Adote uma dieta equilibrada, pratique alguma atividade física. Vale lembrar que células cerebrais não se regeneram, e também não existe tratamento para recuperá-las, mas há tratamentos terapêuticos que auxiliam na restauração das funções, movimentos e fala e sua eficácia é melhor aproveitada quando o tratamento é imediato. Nunca suspenda o tratamento indicado pelo cardiologista e/ou neurologista.

Complicações

O AVC pode deixar sequelas e sua gravidade vai variar de indivíduo para indivíduo devido a intensidade do evento cardiovascular. A falta de força pode ocasionar em perdas motoras, como fala, o comer sozinho, andar ou se vestir. Pode incluir dificuldade na comunicação, compreensão, engasgos, incontinência, perda de visão, distúrbios neurológicos e agressividade comprometendo o convívio com amigos e familiares.

Com informações da SBC (Sociedade Brasileira de Cardiologia) e Ministério da Saúde

Sugerimos que você leia também:

Biópsias auxiliam no diagnóstico de diversas doenças

Metade das mulheres tem vergonha de falar sobre menopausa

Clique aqui para pré-agendar seu exame.


endometriose.jpg

4 de junho de 2018 Blog0

Cólica e menstruação irregular estão entre os sintomas desse problema que afeta milhões de mulheres. Conheça as causas e os tratamentos

A endometriose – que fez a atriz Lena Dunham se submeter a uma histerectomia – acontece quando o endométrio, tecido que reveste o útero, cresce para fora do órgão. Os fragmentos vão parar no ovário, nas trompas e até em regiões vizinhas. Mesmo deslocado, o tecido excedente é estimulado a crescer e, na hora da menstruação, descama junto com o endométrio original.

A partir daí, surgem as cólicas intensas, o desconforto e, com o tempo, dificuldades para engravidar. Além disso, o risco de câncer de ovário é mais alto em mulheres com o problema.

É difícil estabelecer as causas da endometriose, mas, em parte, o distúrbio é provocado pela menstruação retrógrada, quadro em que pequenas porções de sangue voltam pelo canal vaginal e se alojam aonde não deveriam. Isso ocorre pelo estímulo constante do estrogênio, hormônio que faz o endométrio aumentar de tamanho e sangrar todos os meses.

Sinais e sintomas da endometriose

– Cólica intensa mesmo fora do período menstrual
– Inchaço abdominal
– Dor durante e após o sexo
– Dor para urinar e evacuar
– Intestino preso ou solto demais
– Menstruação irregular
– Dificuldade para engravidar

Fatores de risco

– Ter filhos depois dos 30 anos
– Alterações no útero
– Estresse
– Má alimentação

A prevenção

Embora em muitos casos não dê para prevenir o aparecimento da endometriose, alguns hábitos diminuem o risco de ela dar as caras, como diminuir o estresse e aumentar o consumo de alimentos ricos em ômega-3, como o salmão e o óleo de linhaça.

O diagnóstico

A partir da primeira menstruação, o médico precisa ficar atento às cólicas — quanto mais rápido o diagnóstico, menor o risco de a doença progredir. Uma batelada de exames de imagem e sangue dá início ao tratamento, mas a certeza do diagnóstico só vem mesmo com a videolaparoscopia, uma cirurgia que permite observar os focos da endometriose. A doença é classificada em leve, moderada ou grave.

O tratamento

Não há cura para a endometriose, mas dá para combater os focos dela e praticamente anular os sintomas. Anticoncepcionais que barram a ação do estrogênio são frequentemente prescritos, apesar de não serem criados originalmente para esse fim. Há também remédios mais específicos, que simulam a ação da progesterona no controle do endométrio.

Quando a doença avança, os médicos podem optar pela cirurgia. Por meio de uma pequena incisão no umbigo, a videolaparascopia identifica e cauteriza os locais afetados. Outra opção é apenas extrair as células que estão fora do lugar. A atividade física também pode ser benéfica porque libera substâncias que aliviam a dor.

Em situações específicas, opta-se pela retirada do útero – procedimento chamado de histerectomia. Foi o que ocorreu aos 31 anos com a atriz Lena Dunham, criadora da série Girls.

Fonte: Revista Saúde

 

Sugerimos que você leia também:

Saiba mais sobre miomas

O que é importante lembrar sobre a mamografia?


© Copyright 2018 Mamorad. Todos os direitos reservados. - Feito por DOM.COM.VC